Determinação do desvio da linha vertical pelo método astrogeodésico no campus da universidade agostinho neto

##plugins.themes.academic_pro.article.main##

Antonio Alves Teixeira de Carvalho

Resumo

Este artigo mostra o resultado da determinação do desvio da linha vertical pelo método astrogeodésico para o ponto da rede de aferição no Campus da UAN. A metodologia aplicada no trabalho baseiam-se nas observações das coordenadas geodésicas no Sistema de Posicionamento Global (GPS) e de coordenadas astronómicas obtidas por um astro em culminação superior de pontos situados na mesma linha meridiana . Atravês da comparação das coordenadas astronómicas, e as coordenadas geodésicas, calculou-se o desvio da linha vertical de um ponto da rede de aferição. Os valores encontrados no desenvolvimento deste trabalho apontam para resultados preliminares promissores nos componentes do desvio da linha vertical, podendo a metodologia ser utilizada em toda a área do Campus da Universidade Agostinho Neto.

Palavras-chave:
linha vertical astrogeodésico gps astro culminação superior

##plugins.themes.academic_pro.article.details##

Como Citar
Teixeira de Carvalho, A. A. (2021). Determinação do desvio da linha vertical pelo método astrogeodésico no campus da universidade agostinho neto. Revista Angolana De Geociências, 2(1), 177-184. Obtido de https://revista.cicga-uan.co.ao/index.php/RAG/article/view/31

Referências

  1. Alves. (2012). Tese de Doutoramento- Elaboração de uma Metodologia para a Modernizaçãi da Rede Geodésica de Luanda com a Tecnologia de Observação de Satélites. RÚSSIA- Moscovo: MIIGAiK.
  2. Bolshakove. (2013). Consultório rápido de geodesia. RÚSSIA-MOSCOVO: MIR.
  3. Cachin. (1979). Construção clássica das redes astrónomas-geodésicas na Rússia e nas Repúblicas Soviéticas. RÚSSIA: CARTGEOCENTRE- GEODEZISDAT.
  4. Carvalho, A. d. (5 de Maio de 2018). Heavens- Above. Obtido de www.heavens-above.com: http://www.heavens-above.com
  5. Determinação da Inclinação da Linha Vertical com Utilização do GPS /GLONASS. (2002). RÚSSIA: NEDRA.
  6. Felipe. (2009). Topografia e astronomia de posição para engenheiros e arquitectos. BRASIL - SÃO PAULO: McGraw-hill.
  7. Gemael. (1980). Astronomia esférica. Curitiba, Brasil: UFRR.
  8. Kabaiaaia. (2019). Determinação do desvio da linha vertical com o uso do método astrogeodésico no campus da UAN. Luanda: UAN.
  9. Makcimov. (2002). Determinação da inclinação da Linha Vertical com GPS/GLONASS. RÚSSIA: MIR.
  10. Markuze. (2005). Teoria Matemática de Processamento de Medições Geodésicas. RÚSSIA - MOSCOVO: MIIGAiK.
  11. Matveev. (2004). Novo tipo de apoio das redes geodésicas. Conferência Científica Internacional pelos 225 anos do MIIGAiK (pp. 16-17). RÚSSIA-MOSCOVO: MIIGAiK.
  12. Mueller, I. (1989). Spherical and practical astronomy. USA: Copyright by Frederick Ungor Publishing Co, Inc.
  13. Pellinen. (1989). Cálculo da linha vertical e da altura do quasegeóide em zonas montanhosas. RÚSSIA: CNIIGAik.
  14. Peshekhonov. (2017). Modern Technologies and Methods for measuring the Earth´s. RÚSSIA: MIR.
  15. Piskunov. (1977). CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL. RÚSSIA- MOSCOVO: MIR.
  16. Podobed. (2002). Astronomia Geral. RÚSSIA - MOSCOVO: NAÚKA.
  17. Santiago, B., & Salviani, A. (2005). Astronomia Geodésica. Brasil: UFRGS.
  18. Shimbirev. (1975). Theory of the Earth´s. RÚSSIA - MOSCOVO: NEDRA.
  19. Souza. (2012). Determinação dos Componentes do Desvio da Vertical pelo Método de Helmert. Anais IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, 2-7.
  20. Wolfgang. (2001). Geodesy. Germany- Berlim: Werner Hildebrand.
  21. Zakatov. (1981). Curso de Geodesia Superior. RÚSSIA: MIR.